'TSE feriu a Lei da Ficha Limpa', diz líder de movimento em Paulínia, SP

Do G1

O coordenador do Movimento Contra a Corrupção Eleitoral de Paulínia (SP), Daniel Messias, classificou como um erro a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de considerar válida a candidatura de Edson Moura Júnior (PMDB) nas eleições municipais de 2012. O peemedebista substituiu o pai, Edson Moura, na chapa um dia antes da eleição do primeiro turno e foi o mais votado com 41% dos votos válidos.


O coordenador do Movimento Contra a Corrupção Eleitoral de Paulínia (SP), Daniel Messias, classificou como um erro a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de considerar válida a candidatura de Edson Moura Júnior (PMDB) nas eleições municipais de 2012. O peemedebista substituiu o pai, Edson Moura, na chapa um dia antes da eleição do primeiro turno e foi o mais votado com 41% dos votos válidos.

“Como disse o ministro (José Antonio Dias Toffoli), o povo tem que conhecê-lo, ele tem que participar dos debates. É uma pena. O Tribunal Superior Eleitoral feriu a Lei da Ficha Limpa”, disse Daniel Messias.

Ao comentar o caso no julgamento no TSE na noite de quarta-feira (23), o ministro Dias Toffoli criticou a legislação que permite a troca de candidatos horas antes da votação. “Seja quem for não foi submetido ao crivo público”, avalia.

Após a publicação da decisão no Diário da Justiça, os dois candidatos podem apresentar recurso ao TSE. Os pedidos não mudam a decisão, mas podem apenas mudar a data da diplomação de Moura Júnior. Só após a diplomação, ele pode tomar posse.


Logo após a decisão dos ministros, os advogados do atual prefeito não quiseram comentar o caso. Em nota, Moura Júnior comemorou a decisão. “O voto popular foi respeitado”, argumenta.