MCCE parabeniza Márlon Reis pelo recebimento da comenda Dom Hélder Câmara

Secretaria Executiva do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), organização da sociedade civil integrada por 51 entidades nacionais de diversos segmentos, da qual o juiz de Direito Márlon Reis é um dos integrantes fundadores, emitiu nota de congratulações pelo recebimento da Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara.

Reis recebeu a honraria na manhã desta terça-feira (3), no Plenário do Senado Federal. A indicação de seu nome partiu do senador Pedro Simon, que considera a história de vida do magistrado um exemplo de luta e inspiração para aqueles que acreditam na força do direito e na justiça como alavanca fundamental na defesa e promoção dos direitos humanos.

MCCE – O movimento foi instituído oficialmente no ano de 2002, mas já dava seus primeiros passos de atuação no combate à corrupção em 1996, durante a Campanha da Fraternidade que teve como tema “Fraternidade e Política”. Tem como eixos de atuação a fiscalização – fazendo serem cumpridas a Lei 9840/1999 e LC 135/2010 (Ficha Limpa), por meio do recebimento de denúncias, acompanhamento de processos e encaminhamentos de representações aos órgãos competentes, a educação – contribuindo com a consolidação de uma consciência dos eleitores de que “voto não tem preço, tem consequências” e o monitoramento – evitando desvio de recursos com finalidades eleitorais e acompanhando as ações de seus candidatos.

Grandes bandeiras – Responsável pela mobilização da sociedade em favor da aprovação das duas únicas leis de iniciativa popular anticorrupção no Brasil: a Lei nº 9.840/99 “Lei da Compra de Votos” e a Lei Complementar nº 135/2010, popularmente conhecida como “Lei da Ficha Limpa”. Coordenou a campanha “Corrupção Eleitoral e Saúde: Voto não tem preço, saúde é seu direito!”.  E atualmente, o movimento trabalha com o projeto para a Reforma do Sistema Político Brasileiro – mais uma iniciativa popular.

 

Nota de congratulações:

Mariana Castro/Ascom.
Esta matéria possui 2571 visualizações.




Comentário(s):